A Fampepar é a favor do modelo de concessão de rodovias que envolve apenas o menor preço, em que a empresa que oferecer a tarifa de pedágio mais baixa ganha a concessão. “Precisamos garantir preço justo para os paranaenses, sem criar mais custos para a sociedade”, afirma o presidente da Fampepar, Ercílio Santinoni. Esta posição está sendo divulgada pela federação para todas as suas entidades, em todas as regiões do Paraná.

Para o presidente da Fampepar, o valor do pedágio tem a ver com a competitividade do Paraná, que sofre, desde 1998, com uma tarifa muito elevada e com o atraso em obras de contrapartida, outro prejuízo aos paranaenses.

A proposta apresentada pelo Ministério dos Transportes prevê que, além do menor preço, o maior valor de taxa de outorga seja o critério para definir as empresas vencedoras da licitação.

A Fampepar concorda com a Faep, entidade que representa os produtores rurais, que publicou nota com o seguinte alerta: “Na prática, a cobrança de outorga é um imposto indireto aos usuários e produtores rurais, e vai na direção oposta à que defendemos há tanto tempo, de enxugar ao máximo a tarifa”.

“Somos a favor de um modelo que seja justo a todos, sem criar mais cobranças para a sociedade e para o produtor ver seus ganhos, que já são muito apertados, diminuírem. O edital precisa estabelecer prazos curtos para duplicação nos principais trechos do Estado, nas saídas para os portos de Paranaguá e Santos e para o mercado interno, principalmente rodovias para a região Sudeste”, disse o presidente da FAEP, Ágide Meneguette.

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), membro da Frente Parlamentar sobre o Pedágio, da Assembleia Legislativa do Paraná, destacou o posicionamento da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep) de defender que as novas concessões de pedágio no Paraná busquem o menor preço das tarifas, com a realização das obras no curto prazo e sem a cobrança de taxa de outorga.

“É o modelo que estamos defendendo. Um pedágio com tarifas mais baixas, com tarifas justas e com obras que garantam a competitividade dos produtos e da economia paranaense. A taxa de outorga nada mais é do que um imposto indireto que vai pesar no bolso de todos os usuários”, disse Romanelli.

A Frente Parlamentar tem realizado audiências públicas em todas as reigões do Paraná, para ouvir a sociedade sobre as novas concessões. A primeira audiência foi realizada em Cascavel, com participação e mobilização da Amic, associação do sistema Fampepar/Conampe, liderada pela presidente Sonia Regina Xavier.

Veja a transmissão deste evento, na TV Assembleia:
https://youtu.be/0w1vj3djFzg